Domingo, 27 de Maio de 2007

Rui Pedro, criança desaparecida a 4 de Março de 1998, também já tem site

 

http://www.ruipedro.net/

 

 

 

 

A mãe de Rui Pedro, desaparecido há nove anos, decidiu seguir o exemplo dos pais de Madeleine e criou um site com fotos e toda a história do rapto do filho na esperança de ainda o poder encontrar.

 

 

A História do Rapto (contada pelo padrinho)

No dia 4 de Março de 1998 o Rui Pedro, depois do almoço, pegou na sua bicicleta e, por volta das 14 horas, passou no escritório da mãe, o qual fica mesmo em frente á sua casa, pedindo-lhe autorização para sair de carro com um "amigo" chamado Afonso, de 22 anos de idade. A mãe recusou o pedido e disse-lhe para ir brincar com a sua bicicleta para um terreno baldio mesmo atrás do seu escritório (local com caminho em terra, em circulo, que, por não ser local de passagem, quase não tem trânsito e onde se faziam, de vez em quando, corridas de cavalos).
No final da tarde, o professor de explicações, que o aguardava desde as 17 horas,estranhou o facto do Pedro ter faltado (pois nunca o tinha feito) e avisou os pais que se puseram de imediato a procurá-lo. Durante as buscas, vieram a saber que um senhor vizinho tinha encontrado a bicicleta por volta das 15 horas, escondida no mato, na pista de cavalos onde o Pedro tinha sido visto a andar de bicicleta.
Como o Rui Pedro tinha marcado o encontro com o tal Afonso, procurou-se indagar sobre o seu paradeiro. Encontrado este, perguntaram-lhe se tinha visto o Pedro,ao que ele,com demasiada calma, respondeu que não. Mais tarde veio a saber-se que este indivíduo oi visto no local onde o Rui Pedro tinha estado a andar de bicicleta, a conversar com ele num Fiat Uno preto (do irmão). Ora, foi exactamente nesse local que apareceu a bicicleta.
Estranhamente o irmão tinha-lhe emprestado o automóvel para fazer a inspecção periódica obrigatória, sendo de salientar que mais tarde no seu depoimento veio a verificar-se que não a fez, tendo andado a passear toda a tarde por locais incertos e sem qualquer destino. A GNR, que o interrogou nesse dia e que nos acompanhava nas buscas, presenciou, no posto de Lousada, quando o avô da criança (meu pai) lhe perguntou desesperado onde estava o Rui Pedro (oferecendo-lhe tudo aquilo que ele quisesse pela resposta), ao que este respondeu a chorar que não sabia mas
que se quisessem encontrá-lo deveriam ser fechadas as fronteiras pois ele podia estar já muito longe, a caminho do estrangeiro. E, logo de seguida, confrontado com uma testemunha - o André , primo do Rui Pedro , que veio contar a conversa que o Afonso tinha tido com ele e com o meu afilhado, o Afonso tentou impedi-lo de falar, ameaçando-o. Mesmo assim o André veio a dizer que o Afonso os tinha convidado para irem no seu carro ás prostitutas e que tinham combinado encontrarem-se num outro local chamado Quinta da Costilha. Disse também que faltou a esse en contro porque a mãe não o tinha deixado sair de casa.
Enquanto isto decorria, e durante essa noite, telefonamos para tudo e para todos, e a família juntamente com a GNR, os quais levaram cães treinados, os Bombeiros e os populares reviramos Lousada em peso á procura do Rui Pedro. Durante a madrugada, fui ao piquete da Policia Judiciaria pedir auxilio, pois tudo indiciava que o Pedro tivesse sido raptado, tendo obtido como resposta que o piquete não podia fazer nada e que eu tinha que ir pedir ao juiz da comarca que contactasse com as autoridades locais para saber que tipo de crime era e que, só se estes considerassem ser rapto, é que eles poderiam intervir. Expliquei-lhes o sucedido e implorei-lhes que viessem e que agissem o mais urgente possível, pois o dia seguinte poderia ser tarde demais, mas, por mais que argumentasse, nada consegui. Continuamos, assim, a procurar e, no dia seguinte, após a abertura do tribunal ás 09.30, conseguimos que a Delegada do Ministério Público solicitasse á Policia Judiciária a sua i ntervenção.
Durante a tarde, chegaram á localidade vários agentes da Polícia Judiciária e, durante os dias seguintes, andaram a pé a procurar, juntamente connosco, no mato e nas redondezas, poços, presas, rios etc., partindo do principio de que o Pedro estivesse caído em qualquer lugar. Nunca, até hoje, consideraram que o Pedro tivesse sido raptado! Sucede, no entanto, que recebemos já milhares de telefonemas e, entre outras chamadas de pessoas que dizem ter em sua posse o Pedro ou então que sabem onde ele está, foi-nos inclusivamente pedido um resgate. Recebemos também uma chamada em que uma criança com a voz igual á do Pedro só consegui chamar pela mãe, tendo sido cortada a comunicação por alguém que lhe tirou o telefone das mãos e depois desligou. Nenhuma destas chamadas foi localizada, muito embora, e é isto o mais incrível, o juiz, desde os primeiros dias e a nosso pedido, tenha autorizado que os nossos telefones estivessem sob escuta, conforme mandam as nossas demoradas leis. E sempre que pergunta-mos se seguiram alguma das pistas dadas pelos telefonemas, perguntam-nos como é que o poderiam fazer, se nem os ouviram, logo acrescentando que, mesmo que os ouvissem, nada poderiam fazer para saber quem esteve a ligar. E, perante a nossa resposta de que existem meios para o fazer, dizem-nos que isso só nos filmes! Como podemos aceitar tal resposta, se a situação em causa é bem real?! Como compreender que um polícia nos responda, quando perguntamos se existe alguma pista, que não fazem a mínima ideia de onde possa estar Pedro!? Revoltante toda a burocracia, desleixo e falta de meios com que se lida com um caso de rapto de uma criança e é essa revolta a razão da minha queixa, muito embora nem me sinta no direito de dizer que estou prejudicado, pois a minha dor é tão pequena se comparada com aquilo por que está a passar esta criança.
publicado por estremoznet às 16:20
link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De marcia a 27 de Maio de 2007 às 18:27
Ola mae do Rui Pedro.
Sou uma jovem de 20 anos que em breve também ira ser mãe, por isso queria deixar-lhe o meu apoio por toda a coragem que todos vocês têm tido por conseguir enfrentar esta longa batalha sozinhos. Custa-me imaginar o que é perder um ser que se cria dentro de nos com tanto amor e carinho, para, de um momento para o outro, perdemo-lo. Mas ha-que ter fé, pois a esperança deve ser sempre a ultima a morrer, pois não se pode desistir daquilo que mais gostamos. Um forte abraço desta vossa admiradora. E coragem! Marcia, França
De fernando peixoto a 27 de Maio de 2007 às 21:33
estou completamente solidário com
a sua dor e gostaria de saber a morada completa da mãe do rui pedro, pois que tinha um poema para enviar, quero´no entanto dizer para que tenha muita força
e muita fé
De mota a 29 de Maio de 2007 às 12:08
ola amigo muito boa iniciativa vou-te "roubar "a info.

gracias

mota
De estremoznet a 29 de Maio de 2007 às 15:25
Está à vontade companheiro quanto mais divulgação melhor.

Um abraço
De Maria Manuela Sousa a 30 de Maio de 2007 às 16:53
Sou Mãe e Avó. Acho inaceitável a diferença de tratamento dada a todos os níveis na procura do seu Filho e outras crianças desaparecidas em Portugal de
nacionalidade Portuguesa, por comparação ao caso
Madeleine ( embora a menina não tenha qualquer culpa e eu deseje do mais fundo coração que ela apareça brevemente e nas melhores condições ), só porque se trata de uma criança inglesa. A mediatização dada a este caso está a tornar-se tão exagerada, que fico por vezes com a sensação que suplanta até alguma notícia relacionada com o próprio Estado e Governo Portugueses!... Tudo o que é demais é erro!... Mais do que palavras que nunca serão suficientes para transmitir à Mãe do RUI PEDRO o meu apoio, gostaria de AGIR. Neste sentido, pensei que se pudésse organizar uma Caminhada à semelhança da Corrida da Mulher, aqui no Porto, chamando a atenção para este caso e outros cujos Familiares não têm quaisquer possibilidades sequer de fazer um site na net. Caso alguém concorde com este ideia e queira colaborar, agradeço me contacte para o meu e.mail: manusousa9@hotmail.com. Força para os Pais do RUI PEDRO e quem sabe até breve. Maria Manuela Pinto Pombeiro de Sousa
Porto, 2007.05.30
De Maria Manuela Sousa a 30 de Maio de 2007 às 17:11
Porto, 2007.05.30

Sou Mãe e Avó. Não tenho palavras que exprimam a minha solidariedade para com A Mãe do RUI PEDRO pois só pode sentir quem passa por elas. Mas acho inaceitável a diferença de tratamento que tem vindo a ser dada a todos os níveis na procura do RUI PEDRO e outras crianças desaparecidas em Portugal por serem de nacionalidade Portuguesa e o caso Madeleine por ser inglesa. Temos que ser nós a mobilizarmo-nos. Proponho, caso a Mãe do RUI PEDRO esteja de acordo, que se organize uma caminhada semelhante à da corrida da mulher aqui no Porto, para chamar a ateñçao para todos estes desaparecimentos. Só tenho a ideia, mas, caso concorde e saibam de pessoas que possam colaborar para a realização da mesma, agradeço me contactem para o meu e.mail: manusousa9@hotmail.com . Força!... Maria Manuela Pinto Pobeiro de Sousa

Comentar post

    

English

ÉVORA

Click for Evora, Portugal Forecast

Distinção de Ipsis Verbis 

 

  Concedida por " Estremoz Soeiro"

 

links

Forum MotaDigital